Novos padrões de qualidade do ar, carta sobre metas de eficiência energética para veículos pesados, energia solar na Amazônia – Notícias do IEMA

18 de dezembro de 2018

Olá! Este é o segundo boletim do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA). Periodicamente, enviamos as novidades sobre pesquisas e atividades desenvolvidas por nossa organização e em parceria com nossos colegas. Também compartilhamos informações importantes sobre os temas relacionados à nossa instituição. Acompanhe.

Este fim de ano está agitado. O Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) divulgounovos padrões de qualidade do ar. Embora seja importante a atualização, entendemos que, para não se transformar em “letra morta”, é necessário um aperfeiçoamento de instrumentos de gestão da qualidade do ar que levem tanto à ampliação da cobertura da rede de monitoramento em operação no país como à efetiva redução das emissões de poluentes atmosféricos de veículos e de fontes industriais, especialmente, em áreas de não atendimento aos padrões.

Outro destaque é o Rota 2030, programa que define regras para a fabricação dos automóveis, sancionado este mês pelo presidente do Brasil. Em carta, destacamos principalmente que os períodos de implementação de metas de eficiência energética para veículos pesados deveriam ter sido encurtados.

Clima

O Nexo fez uma matéria sobre as críticas ambientais ao programa Rota 2030. “Não é uma regulação trivial e tem complexidades técnicas bastante grandes”, dizem ao siteDavid Shiling Tsai e Marcelo dos Santos Cremer, pesquisadores do IEMA.

Energia

Projeto piloto do IEMA em parceria com o ISA e outras organizações está avaliando oimpacto da energia solar no Parque Indígena do Xingu. O resultado será divulgado em fevereiro. Uma opção para geração de eletricidade limpa e segura para brasileiros sem acesso regular à eletricidade. 

Estudo em andamento. Estamos pesquisando a capacidade das bacias hidrográficas brasileiras para receberem novas usinas termoelétricas. Ela vai considerar a disponibilidade hídrica de cada uma a partir das térmicas já existentes e de outras atividades econômicas.

Por quê? Muitas usinas termoelétricas são grandes consumidoras de água em seu sistema de resfriamento e parte delas são planejadas ao Nordeste, onde há mais estresse hídrico. O levantamento também considera os impactos na poluição do ar, biodiversidade e comunidades locais.

Mobilidade

extensão urbana e as deficiências do transporte são as principais causas para uma pessoa demorar mais de uma hora para chegar ao trabalho e vice-versa. Esses dados fazem parte da publicação do Ministério das Cidades, com estudos do Grupo de Trabalho do qual o IEMA faz parte, que monitorou e avaliou a efetividade da Política Nacional de Mobilidade Urbana. O material tem dados da mobilidade urbana do Brasil todo e de como ela impacta a vida das pessoas.

Qualidade do ar

Há uma queda de poluentes emitidos diretamente das fontes, mas não daqueles formados por processos mais complexos. A explicação da meteorologista Beatriz Oyama, do IEMA, pode ser ouvida na entrevista à Rádio 9 de Julho.

Prêmio e eventos

O André Ferreira e o David Tsai, pesquisadores do IEMA, serão jurados do Clean Energy Challenge – What Design Can DoPremiação busca de soluções inovadoras para os problemas de mobilidade na cidade de São Paulo.

Vale lembrar que o Prêmio MapBiomas, iniciativa conjunta do projeto com o Instituto Escolhas e o IEMA, continua aberto para inscrições de pesquisas sobre infraestrutura e uso do solo.

A saber

Custo-benefício: a OMS divulgou na COP-24 relatório com recomendações sobre saúde e mudanças climáticas. Cada real investido em políticas de mitigação climática pode retornar o dobro em benefícios para a área da saúde.

A prefeitura de São Paulo relançou os editais da licitação dos serviços de ônibus. A frota deve seguir a nova Lei de Mudanças Climáticas, que estipula um cronograma de redução de emissões de poluentes.

Sobre a nossa equipe… Mônica Takeda, coordenadora administrativa do IEMA, vai integrar o Conselho Fiscal da Oceana, organização dedicada à proteção e restauração dos oceanos. Parabéns!

Quer assinar este boletim do IEMA? Inscreva-se aqui!