A poluição atmosférica traz grandes danos à saúde, levando ao agravamento de doenças respiratórias, cardiovasculares e neurológicas. Também produz efeitos negativos aos ecossistemas, podendo gerar prejuízos à agricultura e aos ambientes urbanos, podendo contribuir com a poluição das águas e do solo. A qualidade do ar num determinado local varia ao ritmo das emissões dos poluentes por suas fontes e das condições naturais, como as condições meteorológicas e a topografia da região.

Para enfrentar esse problema, o primeiro passo é o monitoramento para informar a situação da qualidade do ar no tempo e no espaço. Uma vez diagnosticada a má qualidade do ar, passa-se então a entender suas causas, para a seguir planejar e executar estratégias de controle das emissões dos poluentes.

Plataforma da Qualidade do Ar é uma iniciativa do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA) que visa ampliar o conhecimento da sociedade acerca da qualidade do ar que se respira no Brasil. Com a colaboração de órgãos públicos ambientais, o IEMA integra, organiza, analisa e disponibiliza dados e sobre o monitoramento da qualidade do ar realizado no Brasil. Entre eles, estão as séries históricas de dados de concentração de poluentes para cada uma das estações de monitoramento. Esses dados são obtidos e organizados a partir de fontes abertas, dos Relatórios Anuais de Qualidade do Ar dos Estados e, também, por meio do compartilhamento direto de dados dos órgãos públicos ambientais ao IEMA.

Os dados de qualidade do ar são apresentados conforme a classificação do Índice de Qualidade do Ar (IQAr) ou de forma comparável aos padrões de qualidade do ar adotados no Brasil. Assim, é possível averiguar a qualidade do ar a partir dos painéis interativos a seguir ou baixar as bases de dados.

Crédito: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Mapa de estações de monitoramento

No Brasil, os estados são responsáveis pelo monitoramento da qualidade do ar. Consequentemente, os órgãos estaduais de meio ambiente implementam cada qual seu próprio sistema de monitoramento. O painel interativo mostra, a partir dos dados contidos na Plataforma da Qualidade do Ar, onde há ou já houve estações de monitoramento em operação no país – a partir do ano 2000 – e quais poluentes são e foram monitorados, segundo o órgão responsável. É possível escolher o(s) poluente(s) para visualizar o mapa de estações que o(s) monitora(m). Atualmente 10 estados e o Distrito Federal contam com monitoramento da qualidade do ar. Veja a cobertura do monitoramento presente na plataforma ao longo dos anos:

Dados disponibilizados

O painel abaixo apresenta todas as estações de monitoramento da qualidade do ar mapeadas no país junto aos órgãos públicos parceiros da Plataforma da Qualidade do Ar, bem como os conteúdos incorporados pelo IEMA: os respectivos poluentes monitorados, os anos de monitoramento e a resolução temporal disponibilizada nos dados (diários ou anuais). Devido ao grande volume de dados produzidos por diferentes órgãos com diversas sistemáticas, o desenvolvimento da Plataforma tem atualização contínua. De início, foi priorizado o monitoramento mais recente. Gradualmente, a Plataforma da Qualidade do Ar incorporará novos dados, informando o monitoramento mais recente, dados de novas parcerias e enriquecendo as séries históricas à medida em que são disponibilizados pelos órgãos parceiros e organizados pela equipe do IEMA.

Dia a dia, estação por estação

O ar tem uma característica bastante dinâmica. Em um determinado momento do dia pode estar mais ou menos poluído a depender das atividades poluidoras ou das condições meteorológicas. Por isso, a qualidade do ar é, em geral, monitorada hora a hora. Ao fim de um dia, a qualidade do ar pode ser avaliada a partir de um valor médio, que é calculado a partir das concentrações hora a hora para cada poluente. Quanto maior o valor médio, mais poluente esteve presente no ar e pior a sua qualidade. Concomitantemente, a qualidade do ar de um certo dia pode ser classificada como boa, moderada, ruim, muito ruim ou péssima – classes do índice da qualidade do ar (IQAr) –, com diversos efeitos à saúde humana1. E também pode-se avaliar se o nível de poluição do ar no dia ultrapassou ou não o valor recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) ou os padrões de qualidade do ar brasileiros2. O painel abaixo permite consultar, estação por estação, a avaliação da qualidade do ar dia a dia.

Saiba mais sobre a classificação da qualidade do ar clicando aqui
Saiba mais sobre os padrões de qualidade do ar e as recomendações da OMS clicando aqui.

Clique aqui para visualizar os mesmos dados de forma panorâmica para toda a série histórica disponível na Plataforma.

Dia a dia, para todas as estações

Uma visão simultânea da avaliação diária da qualidade do ar em várias estações pode ser consultada neste painel. Cada quadrado é colorido conforme a classificação da qualidade do ar para cada estação e poluente no dia. Ao selecionar “Tudo” no seletor de “Poluente”, é possível ver a classificação geral da qualidado do ar, definida a partir do poluente com a pior classificação. Por exemplo: se em uma determinada estação a qualidade do ar para um poluente foi avaliada como “Muito ruim”, para outro poluente foi avaliada como “Moderada” e para todos os outros foi avaliada como “Boa”, a classificação geral será “Muito ruim”. Selecione o grupo de estações que interessar interagindo diretamente nos comandos do painel. Identifique períodos e áreas críticas.

Totais de dias no ano

Este painel mostra a participação dos números de dias no ano classificados a partir da qualidade do ar (IQAr), para cada estação e poluente. Aqui é possível ter uma visão panorâmica da qualidade do ar para cada poluente, podendo-se averiguar se há aumento ou diminuição do número de dias mais ou menos poluídos ao longo dos anos. Também é possível notar a participação dos dias sem monitoramento efetivo. É possível selecionar o grupo de estações interagindo diretamente nos comandos do painel.

Algumas estações de monitoramento da qualidade do ar não monitoram o ar de forma contínua durante todos os dias, sendo operadas de maneira manual com uma coleta menos frequente de dados, geralmente a cada seis dias. Assim, essas estações foram excluídas neste painel por uma questão de incomparabilidade com as estações automáticas, que coletam dados todos os dias – exceto curtos períodos de manutenção (idealmente). No entanto, há um painel onde é possível consultar o número de dias no ano classificados a partir do índice da qualidade do ar para as estações manuais, clicando aqui.

Número de ultrapassagens dos padrões

Os padrões de qualidade do ar são valores referenciais de concentração de poluentes que funcionam como metas na gestão da qualidade do ar. No Brasil, os padrões de qualidade do ar são estabelecidos pela Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) nº 491/2018, e são organizados em níveis. Há os padrões intermediários (PI), 1 a 3, que representam valores provisórios ou temporários para uma determinada região poluída, que ao longo do tempo deve almejar prosseguir avançando para padrões mais elevados, melhorando a qualidade do ar em etapas até alcançar o padrão final. O padrão final (PF) segue as definições da Organização Mundial da Saúde (OMS, 2005). No painel abaixo é possível consultar quantos dias no ano foram detectadas ultrapassagens dos padrões de qualidade do ar em uma estação para um determinado poluente. O painel também mostra o número de dias em que não houve monitoramento efetivo para fazer a avaliação diária da qualidade do ar.

Ano a ano, estação por estação

Ao fim de um ano, a qualidade do ar pode ser avaliada a partir de um valor médio, que é calculado a partir das concentrações hora a hora para cada poluente, considerando critérios de representatividade1. Quanto maior o valor médio, mais poluído esteve o ar ao longo do ano. Diferentemente da avaliação diária da qualidade do ar, o índice de qualidade do ar (IQAr) não se aplica na avaliação anual. Porém, existem padrões de qualidade do ar adotados no Brasil para a avaliação da qualidade do ar na escala anual, assim como também há valores recomendados pela OMS. Atualmente, o Brasil dispõe de até 4 padrões, a depender do poluente. Três padrões são provisórios ou intermediários (os padrões intermediários 1, 2 e 3) e há o padrão final, mais restritivo, que garante o ar mais limpo. Esse padrão final coincide com as recomendações da OMS. Neste painel, ao escolher uma estação e um poluente, podemos avaliar se o nível de poluição do ar no ano ultrapassou ou não o valor recomendado pela OMS ou os padrões de qualidade do ar, além de observar a representatividade dos dados na escala anual2.

Saiba mais sobre critérios de representatividade ou validação de amostragens clicando aqui.

Ano a ano, para todas as estações

Uma visão simultânea da avaliação anual da qualidade do ar em várias estações pode ser consultada neste painel. Cada quadrado é colorido conforme a faixa em que foi medida a qualidade do ar para cada estação e poluente no ano, relativamente aos padrões de qualidade do ar, explicados no painel anterior. Na legenda, PF é sigla para padrão final, e PI é sigla para padrão intermediário. Ao selecionar “Tudo” no seletor de “Poluente”, é possível ver a classificação geral da qualidado do ar, definida a partir do poluente com a pior faixa. Por exemplo: se numa determinada estação a qualidade do ar para um poluente foi avaliada como “Entre PI-2 e PI-1”, para outro poluente foi avaliada como “Entre PI-3 e PI-2” e para todos os outros foi avaliada como “<pf(oms)”, a=”” classificação=”” geral=”” será=”” “entre=”” pi-2=”” e=”” pi-1”.<=”” p=””> </pf(oms)”,>

Selecione o grupo de estações interagindo diretamente nos comandos do painel. Identifique períodos e áreas críticas.

Panorama da avaliação diária da qualidade do ar

Selecionando-se uma estação de monitoramento e um poluente, a linha azul mostra a evolução da concentração média do poluente dia a dia, para toda a série histórica disponível na Plataforma da Qualidade do Ar. A qualidade do ar de um certo dia pode ser boa, moderada, ruim, muito ruim ou péssima1, de acordo com a faixa alcançada pelo valor médio de concentração de poluente do dia. Para retornar à visualização dos mesmos dados, mas para focar em cada dia individualmente, clique aqui.

Saiba mais sobre a classificação da qualidade do ar clicando aqui

Totais de dias no ano, estações manuais

Algumas estações de monitoramento da qualidade do ar são operadas manualmente com uma coleta menos frequente de dados, geralmente a cada seis dias. Este painel mostra a participação dos números de dias no ano por classe da qualidade do ar (IQAr), selecionando-se uma estação do tipo manual e um poluente monitorado. Pode-se averiguar se há aumento ou diminuição do número de dias mais ou menos poluídos ao longo dos anos. Para retornar ao painel onde é possível consultar o número de dias no ano, segundo a classificação da qualidade do ar para as estações automáticas, clique aqui.

Download dos dados

Gostaria de montar suas próprias consultas a partir dos dados da Plataforma?

Baixe os dados contidos na Plataforma, organizados pela equipe do IEMA, e trabalhe livremente com eles!

Bahia
Ceará
Distrito Federal
Espírito Santo
Goiás
Minas Gerais
Paraná
São Paulo
Rio de Janeiro
Rio Grande do Sul

Se possível, conte a sua análise: energiaeambiente@energiaeambiente.org.br.

Na próxima seção, os links apontam para o conteúdos originais disponibilizados pelos órgãos públicos parceiros da Plataforma.

Parceiros da Plataforma

Atualmente, mais de dez órgãos públicos colaboram com o IEMA na Plataforma. Saiba mais sobre a qualidade do ar em outros conteúdos por eles disponibilizados:

Distrito Federal

Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal – Instituto Brasília Ambiental (IBRAM-DF)

Estado da Bahia

Instituto do meio ambiente e recursos hídricos (INEMA) / CETREL

Estado de Goiás

Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD-GO)

Aspectos metodológicos

Índice de qualidade do ar (IQAr)

O Índice de Qualidade do Ar (IQAr) foi criado visando facilitar a divulgação dos dados de monitoramento da qualidade do ar de curto prazo, segundo o Guia Técnico de Monitoramento e Avaliação da Qualidade do Ar (Ministério do Meio Ambiente, 2019). Ele é feito com equações matemáticas que convertem os valores de concentração de poluentes – cuja unidade pode ser expressa, por exemplo, em microgramas por metro cúbico (μg/m3) ou partes por milhão (ppm) – para números sem dimensões. Assim, a qualidade do ar pode ser classificada como boa, moderada, ruim, muito ruim, péssima, representando os diversos efeitos à saúde humana e ao meio ambiente), usando-se inclusive dessa intuitiva escala de cores. Os valores de concentração que classificam a qualidade do ar como “boa” são os valores recomendados pela OMS (WHO, em inglês) como sendo os mais seguros à saúde humana para exposição de curto prazo, conforme a publicação Air Quality Guidelines Global Update 2005 (WHO, 2006). Esses mesmos valores são os Padrões Finais estabelecidos na Resolução Conama nº 491/18. A estrutura do índice e os poluentes que fazem parte dele são esses:

Estrutura do índice brasileiro de qualidade do ar e efeitos à saúde

Fonte: Adaptado de MMA (2019) e Cetesb

Padrões de qualidade do ar

Os padrões de qualidade do ar são valores de referência que estabelecem as concentrações máximas de poluentes a serem atingidas como forma de garantir uma melhor qualidade do ar. Os padrões de qualidade do ar brasileiros são estabelecidos pela Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente nº 491/2018, e são organizados em níveis. Há os padrões intermediários (PI), 1 a 3, que representam valores provisórios ou temporários para uma determinada região poluída, que ao longo do tempo deve almejar prosseguir avançando para padrões mais elevados, despoluindo o ar em etapas até alcançar o padrão final. O padrão final (PF) segue as definições da Organização Mundial da Saúde (OMS, 2005).

Fonte: Resolução do Conama nº 491/2018

Poluentes, métricas e referenciais da Plataforma

Na Plataforma da Qualidade do Ar, os dados de qualidade do ar são apresentados de forma classificada conforme o Índice de Qualidade do Ar (IQAr) ou de forma comparável aos padrões de qualidade do ar. Os poluentes, métricas e referenciais de avaliação presentes na Plataforma são sintetizados na tabela:

Validação de amonstragens na qualidade do ar

A qualidade do ar é, idealmente, monitorada de forma contínua – segundo a segundo, hora a hora. Ao fim de um dia ou também ao fim de um ano, a qualidade do ar pode ser avaliada a partir de valores médios calculados a partir dessas concentrações hora a hora. Para que esses valores médios tenham significado estatístico, são adotados critérios de validação, baseados na completude dos dados. A tabela mostra os critérios recomendados pelo Ministério do Meio Ambiente, e que são adotados na Plataforma da Qualidade do Ar:
Fonte: MMA (2019)

Crédito: David Tsai/IEMA

Apoio:

ICS