Transição energética nos transportes

Avaliação e proposição de políticas públicas para a transição energética nos transportes

Atualmente os sistemas de transportes são responsáveis por 54% do consumo de combustíveis fósseis no país. Além disso, estão diretamente associados à poluição do ar nas grandes cidades. Assim, a transição energética em automóveis, ônibus e caminhões é vista como necessária por vários setores da sociedade.

O termo transição é aqui utilizado para se referir também à eficiência energética decorrente de (i) inovações tecnológicas em veículos; (ii) escolha por modos de transporte menos intensivos em consumo de energia e (iii) uso racional dos modos de transporte intensivos em consumo de energia.

O IEMA já tem um histórico de avaliações de políticas públicas, no que se refere a uso de energia e emissões atmosféricas. O que se pretende com esta linha de ação é que a organização passe a incorporar impactos sociais e econômicos em suas avaliações – empregos, tarifas de transporte, orçamento público, etc.

Publicações relacionadas

Apoio ao MPF e ao MMA na definição dos limites de emissões Euro V para veículos pesados;
Apoio ao MCid e ao MT na elaboração do Plano de Mudanças Climáticas para Transporte e Mobilidade Urbana – PSTM;
Estimativa dos impactos na demanda de combustíveis e nas emissões atmosféricas decorrente da implantação do Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte;
Estimativa dos impactos na demanda de combustíveis e nas emissões atmosféricas decorrente da implantação de faixas exclusivas de ônibus em São Paulo;
Avaliação dos padrões de emissões veiculares Euro VI.